A família do futuro – Disney, 2007 [resenha]

Há exatos 3 anos a Walt Disney Pictures lançou Meet the Robinsons (“A Família do Futuro”, 2007). O filme não é mais nenhuma novidade, mas, na minha opinião, vale a pena assistir com a família ou com o namorado(a) no fim de semana. A animação é baseada no livro A day with Wilbur Robinson, do escritor, ilustrador e cineasta americano William Joyce, e foi dirigida por Stephen J. Anderson.

A família do Futuro em DVDÀ primeira vista, como quase todos os filmes infantis, o enredo é monótono: menino órfão quer encontrar a mãe para se sentir completo. De fato, o filme ganha força após as primeiras apresentações de personagens e situações. Lewis foi deixado em um orfanato pela mãe e, aos 11 anos de idade, corre o risco de nunca ser adotado. Ele não é um garoto comum, pois suas ideias vão além da previsibilidade de seu mundo. Lewis é um cientista nato que está sempre tentando inventar soluções e constrói engenhocas interessantes. O filme começa mesmo quando ele decide que só pode ser feliz encontrando a mãe biológica e passa a trabalhar em um scanner de memória que o ajudará a identificá-la através de suas lembranças. Sua invenção, no entanto, é roubada pelo bandido do chapéu coco, mas as consequências disso serão maiores do que eles poderiam supor. Wilbur Robinson, um garoto do futuro, ajudará Lewis na recuperação da máquina e na busca de seu próprio destino.

Não só as invenções de Lewis são brilhantes e surpreendentes, os desenlaces do enredo são bem originais. É mais do que uma lição para crianças sobre acreditar em seus sonhos e lutar para alcançá-los. É um lembrete aos adultos de que eles podem, sim, fazer a diferença para os outros, sejam os mais próximos ou não. Como outros protagonistas, Lewis vê o mundo de uma maneira diferente, até o momento em que ele deve decidir investir ou desistir de seus sonhos. Ser diferente ou ajustar-se? É então que entra a família Robson para provar a ele e a você, espectador, que o mais importante é o indivíduo, não os moldes. Você é especial pelo que é, da forma que é, mesmo com imperfeições e maluquices. Eles são a família unida que a Disney desejaria que todos tivessem. Sem passar pelo melodrama, as cenas dos Robinsons são engraçadas e inusitadas. Eles não ficam atrás dos vilões divertidos que dão à história sua razão de existir. O aspirante a vilão e seu chapéu coco, Dóris, põem em pauta a fragilidade da busca rancorosa por glória.

Moral da história: relacionamentos são importantes, especialmente os familiares. E nunca desista de seus ideais, mesmo que falhe: “siga em frente” (“keep moving forward”). Apesar da síntese banal, sei que você se surpreenderá com a inteligência do roteiro que atualiza criativamente antigas questões. Para dizer a verdade, muito do que está no filme vai além da compreensão infantil. Especialmente madura é a música que Rob Thomas compôs para o desenho antes mesmo de receber o roteiro (o que surpreende pela pertinência em relação ao enredo). Little Wonders fala sobre deixar o passado, perdoar, ser perdoado e viver o presente. Não é preciso tirar as crianças da sala, mas faça o favor de assistir a versão legendada.

Pronto para Todayland?

[Sessão das 4, por Daniela Urquidi, abril de 2010]

 

 

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: